Cultura

Paraísos Artificiais: Do hedonismo à autodestruição

Uma festa rave na cidade holandesa de Amsterdã. Este é o ponto de partida da trama de Paraísos Artificiais, longa nacional com direção de Marcos Prado (do filme Estamira, sua primeira direção) e produção de José Padilha (direção de Tropa de Elite I e II).

Inspirado em clássicos cinematográficos que abordam e almejam interpretar a cultura juvenil de seu tempo (The Doors, de Olive Stone; Réquiem para um Sonho, de Darren Aronofsky; Berlin Calling, de Hannes Stöhr, dentre outros), Paraísos Artificiais certamente aproxima-se de realizar tal feito, compondo uma leitura legítima da juventude pós-revoluções e globalizada da contemporaneidade.

O enredo acontece, sobretudo, em dois tempos principais. No primeiro, conta-se a história do encontro de três jovens brasileiros da classe média Zona Sul carioca em um festival internacional de música eletrônica. Nele, jovens hippies, neo-hippies, hipsters e alternativos “contra-cultura” de todo o mundo vivem momentos extremos de hedonismo, regados a muito sexo, amor, amizade, felicidade, companheirismo, liberdade e satisfação pessoal – numa espécie de continuidade tardia e caricatural da era Woodstock. O trio central da trama é vivido pelos atores: Nathalia Dill (Érika), Luca Bianchi (Nando) e Lívia de Bueno (Lara).

Quase que concomitante a este plano e intercalando-se a ele ao longo do filme, tem-se o segundo tempo que nos mostra os fatos antes e pós-festival que ocorrem na vida daqueles três jovens. É neste momento que essas histórias particulares ganham dimensão dramática, partindo das experiências sensoriais intensas que trouxeram enormes consequências para o resto de suas vidas. Ao mesmo tempo em que as excessivas cenas de sexo e consumo de drogas sintéticas do início nos conduzem a certo estado de ebriedade (igual ao dos participantes do festival), o desenrolar das histórias dos dramas pessoais dos três nos levam a certo estado de estarrecimento e aflição, gerando-nos um olhar crítico e questionador frente a pergunta da possibilidade de efetivação da hedoné grega (ou bem supremo) na vida.

Só então nos damos conta da não superficialidade da trama e do sucesso da equipe realizadora do filme em captar a liquidez, a brevidade acompanhada de exagero, a imprudência e a fugacidade que caracterizam a juventude atual. Sobreviventes em um mundo onde, contraditoriamente, parece que não há mais revoluções a fazer (pois todas já foram feitas?), mas quase nada ou muito pouco mudou, os atos extremos que saturam a primeira metade do filme são, então, justificados em suas causas, efeitos e consequências. Aqui, outra das fontes inspiradoras do diretor, segundo suas próprias palavras, se faz presente: a(s) teoria(s) do sociólogo e filósofo polonês Zigmunt Bauman da liquefação e não-perenidade das instituições e relações sociais na contemporaneidade.

Da recepção do filme, permanecem certas provocações e autoquestionamentos que o diretor Marcos Prado – que já causou polêmica e se destacou no contundente Estamira – e sua equipe conseguem provocar. Se há excessos cometidos pelas exacerbadas cenas de nudez, sexo e consumo de drogas, as mesmas são equilibradas pelo mérito de Paraísos Artificiais não cair nem na apologia leviana, nem no falso moralismo, tão bem caracterizadores das sociedades humanas atuais.

Participe da conversa