As Lições de Metafísica de Kant

Tradutor de várias obras de Immanuel Kant, Bruno Cunha fala sobre o processo de edição e tradução do livro mais recente deste filósofo vertido por ele ao português

 

Obra de Willie Sturges sobre representação gráfica do filósofo Immanuel Kant

Uma importante fonte para a investigação genética e para a compreensão geral do pensamento de Kant é o conjunto de Lições que passou a ser publicado desde os últimos anos da sua vida e depois postumamente. Estas Lições são, em sua natureza, um conjunto diverso de anotações manuscritas de estudantes tomadas diretamente da sala de aula ou apenas copiadas de outros cadernos. Elas retratam a atividade docente de Kant em sua totalidade. Em oitenta semestres, entre 1755-1796, Kant ministrou, na Universidade de Königsberg, cursos sobre temas diversos como lógica, matemática, física, geografia, ética, direito natural, teologia racional, enciclopédia filosófica e metafísica.  Como estas Lições nos atestam, somos capazes de testemunhar, no contexto informal da sala de aula, a partir da atitude crítica de Kant em relação à filosofia escolástica ensinada nas universidades alemãs, o lento desenvolvimento da reflexão filosófica que se tornaria célebre em clássicos atemporais tais como a Crítica da Razão Pura e a Fundamentação da Metafísica dos Costumes, dentre outras. Isso faz das Lições uma importante fonte para a pesquisa do pensamento de Kant, seja para a investigação genética de sua filosofia, seja para a compreensão pontual de vários aspectos de sua filosofia madura.

As Lições de Metafísica encerram um ciclo que comecei em 2016 e que culminou também nas traduções das Lições de Ética (2018) e das Lições sobre a Doutrina Filosófica da Religião (2019). Minha história com a tradução das Lições de Kant começa com um convite que recebi em 2015 de um professor da Universidade de Londrina, Charles Feldhaus. Eu e Charles conhecemo-nos em um período na Universität-Mainz e depois na Universität-Halle, ambas na Alemanha, sob a orientação do professor Heiner Klemme. Por coincidência, naquele período, eu e Charles havíamos adquirido exemplares das Lições de Ética de Kant. Ele tinha comprado a edição de 1924 editada por Paul Menzer em um sebo em Halle e eu adquirido a edição mais nova de 2004 editada por Werner Stark em um sebo virtual. Adquiri o material porque, em um dos capítulos de meu trabalho de doutorado, cujo tema é a gênese da ética de Kant, eu deveria trabalhar o desenvolvimento da ética de Kant na década de 1770. Para tanto, além da análise das Lições de Ética, também precisaria fazer uma análise das Reflexões de Filosofia Moral, do mesmo período. Como eu já estava empenhado na pesquisa deste material e tive que fazer a tradução de diversos trechos tanto das Lições quanto das Reflexões, projetei para o futuro uma tradução completa das Reflexões de Filosofia Moral. Contudo, os planos mudaram quando o professor Charles me convidou para a tradução das Lições de Ética. Naquele momento, pareceu-me mais proveitosa uma tradução das Lições do que das Reflexões, porque enquanto as Reflexões consistem em anotações fragmentadas que Kant redigiu às margens dos seus exemplares dos livros didáticos de aula e de folhas soltas, as Lições apresentavam o seu ensinamento oral de forma bastante fidedigna e, portanto, parecia-me uma contribuição mais maciça para o estudo atual do pensamento de Kant em língua portuguesa.

A edição brasileira das Lições de Ética foi publicada pela editora Unesp em junho de 2018, baseada na edição alemã de Paul Menzer de 1924, e rapidamente se tornou popular entre aqueles interessados no pensamento ético de Kant e no campo da filosofia moral em geral. Tratou-se da primeira edição brasileira completa de uma Lição de Kant. Vale mencionar que, em novembro de 2019, afortunadamente, a edição das Lições de Ética figurou entre as finalistas do Prêmio Jabuti.

Depois da publicação das Lições de Ética, comecei ainda em 2018 o processo de tradução dos cursos kantianos de teologia racional, publicados em 2019 pela editora Vozes com o título Lições sobre a Doutrina Filosófica da Religião. A tradução foi baseada na segunda edição alemã publicada em 1830 por Karl Heinrich Pölitz. Nas Lições sobre a Doutrina Filosófica mantive o formato de edição comentada que já tinha sido apresentado nas Lições de Ética. Além do Estudo Introdutório, ambas as edições trouxeram um amplo aparato de notas de rodapé, que discutem as opções de tradução e apresentam paralelos com os manuais didáticos de referência que serviram de base para Kant e com os seus escritos publicados. Tratando-se das Lições de Kant em geral, vejo como de fundamental importância o trabalho interpretativo, que visa tentar situar os problemas apresentados em sala de aula no contexto do pensamento crítico de Kant e do pensamento alemão em geral, pois apenas assim somos capazes de ter uma visão holística de sua filosofia.

No final de 2019, comecei o processo de tradução das Lições de Metafísica de Kant. Nessa tradução, além de um Estudo Introdutório de mais de 70 páginas, tentei aprimorar ainda mais o aparato de notas de rodapé e comentários, apresentando um total de 750 notas, o que faz da edição destas Lições a mais comentada dentre as que foram publicadas. As notas foram utilizadas para discutir opções de tradução, para relacionar a posição de Kant à do manual de referência, a Metaphysica de Baumgarten, para traçar um paralelo entre as Lições e as obras publicadas de Kant e como comentários interpretativos, tanto na direção de explicitar as críticas de Kant a Baumgarten, quanto na de demonstrar a aproximação e o distanciamento das Lições em relação à posição crítico-transcendental.

O texto base para a tradução foi o editado e publicado por Karl Heinrich Pölitz em 1821. Contudo, também foi utilizada a edição preparada por Gerhard Lehmann e incluída no volume 28, publicado em 1968-1970, da Akademie-Ausgabe (Kant’s Gesammelte Schriften), a edição crítica das obras de Kant.  A edição de Pölitz está disponível em domínio público. Para facilitar o trabalho, contudo, encomendei uma versão impressa em um dos sebos virtuais internacionais. Mas a compra nunca chegou. A alternativa mais simples seria a impressão do texto em uma casa de fotocópias. Mas devido à pandemia, a impressão do texto não foi feita, o que fez com que eu tivesse que trabalhar sofrivelmente, até o fim, com as versões digitais. Por sorte, em 2019, a edição de Lehmann incluída no volume 28 já estava disponível na internet. Pouco tempo antes, em 2018, o volume 28 ainda não se encontrava disponível. Na época, precisei deste volume como complemento para a tradução das Lições sobre a Doutrina da Religião. Foi necessário então, naquele momento, que um amigo digitalizasse partes do texto e me enviasse. A disponibilidade do volume 28 facilitou tanto o trabalho de tradução quanto o de comentário, uma vez que as introduções do editor para as Lições de Religião e Metafísica se encontram em um de seus tomos.

As Lições de Metafísica se dividem, de forma geral, em dois conjuntos de notas. O primeiro, o qual chamamos Metaphysik L2 (an-Pölitz 3.2), tem data estimada no início de 1790. Nele está incluída todo o capítulo sobre ontologia. O segundo conjunto de notas, o qual chamamos Metaphysik L1 (an-Pölitz 1), tem data estimada no final de 1770 e inclui os capítulos sobre cosmologia, psicologia e teologia. A tradução do primeiro conjunto de notas, que apresenta o capítulo sobre a ontologia, foi um desafio maior, porque a forma com a qual o texto foi apresentado é bastante errática. Neste capítulo, Kant comenta os conceitos metafísicos de Baumgarten sem muita preocupação de manter um fio condutor estritamente coerente. Uma decisão que precisou ser tomada para manter a fluência do texto, desde o início, foi a tradução dos diversos termos em latim que Kant toma de Baumgarten. Nas Lições anteriormente publicadas, optei por manter os termos em latim sem traduzi-los, pois é assim que geralmente os tradutores têm procedido nas edições das Lições de Kant para outras línguas. Aqui contudo, devido a quantidade de termos técnicos, a melhor decisão foi vertê-los ao português, mantendo os termos originais entre parênteses. Embora a exposição seja mais livre e errática nesse capítulo, os comentários kantianos aos parágrafos da Metaphysica de Baumgarten são bastante reveladores, principalmente no que diz respeito a algumas questões fundamentais discutidas nos capítulos da estética e da analítica transcendental da Crítica da Razão Pura. O problema dos juízos sintéticos a priori é apresentado, bem como a reinterpretação da metafísica como ciência dos aspectos a priori do conhecimento humano. Dentre outras coisas, Kant também discute os conceitos de espaço e tempo, de possibilidade e existência, de fundamento e consequência e o princípio de razão suficiente.

O segundo conjunto de notas, que contém os capítulos sobre a cosmologia, psicologia e teologia, embora pertença a uma palestra ministrada antes da publicação da Crítica da Razão Pura em 1781, já apresenta muitos dos pressupostos fundamentais do pensamento crítico-transcendental. O texto é mais fluído e coeso do que o capítulo sobre a ontologia. Mas, a despeito disso, o maior desafio na tradução das Lições de Metafísica foi encontrado justamente no capítulo sobre a psicologia, aquele que é para mim o mais interessante de todo o texto. Na verdade, posso dizer que, do ponto de vista da pesquisa acadêmica,  a discussão sobre a psicologia empírica e racional foi o que conduziu meu interesse nessa tradução. Nesse capítulo, um cuidado especial precisou ser tomado na tradução das divisões da “faculdade de formação” (28:230-231), porque foi necessário encontrar um termo para cada uma delas que estivesse adequado ao sentido do alemão e do latim. Os termos foram traduzidos da seguinte maneira: faculdade de ilustração [Abbildungskraft/ facultas formandi]; faculdade de imitação [Nachbildungskraft/ facultas imaginandi] e faculdade de previsão [Vorbildungskraft / facultas praevidendi]. De uma forma geral, o capítulo sobre psicologia é bem redigido e apresenta considerações muito interessantes sobre a liberdade transcendental, os princípios da moral e o problema mente e corpo. Além disso, também apresenta uma variação do argumento moral da imortalidade da alma. Na seção sobre teologia, Kant dedica-se por sua vez à exposição dos tipos de teologia. O capítulo é, sem dúvida, o menos elaborado das Lições, revelando-se como uma exposição resumida e filosoficamente menos desenvolvida do que aquela apresentada nas Lições sobre a Doutrina Filosófica da Religião. Nele, destacam-se, sobretudo, a exposição sobre a teologia moral e o argumento moral da existência de Deus que seria apresentado em sua forma desenvolvida em 1788 na Crítica da Razão Prática.

As Lições de Metafísica foram publicadas no início de 2022 pela editora Vozes como parte de sua linha editorial Pensamento Humano. Com essa publicação, encerrei o ciclo que comecei em 2016 com o processo de tradução das Lições de Ética. Como tenho enfatizado há tempos, meu objetivo com essas traduções foi ampliar o horizonte dos estudos kantianos em língua portuguesa, visto que considero que esta rica fonte de pesquisa é de suma importância para a interpretação dos escritos publicados de Kant e para a compreensão genealógica do seu pensamento. Mas o trabalho de tradução do material póstumo de Kant é um trabalho de muitas mãos. Com o apoio certo e a estrutura necessária, a esperança é que nos próximos anos mais material das Lições e Reflexões de Kant estejam disponíveis em língua portuguesa.

Bibliografia

Cunha, Bruno. A Gênese da Ética de Kant: o desenvolvimento moral pré-crítico em sua relação com a teodiceia. São Paulo: LiberArs, 2017.

Cunha, Bruno; Feldhaus, Charles. Estudo Introdutório. Em: Immanuel Kant. Lições de Ética. São Paulo: Unesp, 2018.

Cunha, Bruno. Estudo Introdutório. Em: Immanuel Kant. Lições sobre a Doutrina Filosófica da Religião. Petrópolis: Vozes/São Fransciso, 2019.

Cunha, Bruno. Estudo Introdutório. Em: Immanuel Kant. Lições de Metafísica. Petrópolis: Vozes/São Francisco, 2021.

Kant, Immanuel.Gesammelte Schriften. Vol. I-XXIX. Berlim: Reimer (DeGruyter) 1910-1983.

_________. Lições de Ética. Trad. Bruno Cunha e Charles Feldhaus. São Paulo: Unesp, 2018.

_________.Lições sobre a Doutrina Filosófica da Religião. Trad. Bruno Cunha. Petrópolis: Vozes/ São Francisco, 2019.

_________.Lições de Metafísica. Trad. Bruno Cunha. Petrópolis: Vozes/São Francisco, 2021.

Bruno Cunha
Últimos posts por Bruno Cunha (exibir todos)

Participe da conversa