Um trecho do canto IV da Odisseia, de Homero, em que a deusa Atena aparece, em sonho, sob a figura de uma amiga, à esposa de Odisseu, Penélope. A divindade lhe fala das ameaças que pairam sobre o seu filho, Telêmaco. É a primeira vez na história em que ela assume uma figura feminina para interagir com os humanos. A Odisseia é um dos grandes clássicos da literatura mundial. Saiba mais.

Tal como o leão, que se encontra indeciso no meio de gente,
cheio de medo, ao sentir que lhe apertam o cerco doloso:
vê-se Penélope, assim, té que o sono agradável lhe chega.
Dorme assim, pois, reclinada, que o sono descanso lhe infunde.

A de olhos glaucos, Atena, concebe outro plano engenhoso:
forma uma imagem de sonho, mulher parecendo na forma
e com feições da nascida de Icário magnânimo, Iftima,
que com Eumelo é casada, morando eles ambos em Feras.
Essa visão ao palácio do divo Odisseu manda logo,
por que consolo levasse à tristeza da aflita Penélope
e conseguisse pôr termo aos soluções e ao pranto copioso.
Pela correia do fecho na câmara entrar pôde logo;
paira-lhe sobre a cabeça e lhe diz as seguintes palavras:

“Dormes, Penélope, com a coração por tal modo angustiado?
Não te consentem os deuses, que vivem feliz existência,
tanto chorar e afligir-te; ao teu filho ainda destinado
vir de tornada, porquanto ele em nada ofendeu aos eternos”.

Disse-lhes, então, em resposta Penélope muita sensata,
dês da soleira do sono, imergida em torpor muita suave:

“Mana querida, a que vens até aqui? Pois não é teu costume
vir visitar-me, em virtude da grande distância em que moras.
Mandas-me, agora, que cesse de vez com suspiros e dores,
Cedo meu nobre marido perdi, de coragem leonina,
que era entre os Dânaos notável por grandes e raras virtudes,
e cuja fama atingia toda a Hélade, até o centro de Argos.
Ora meu filho querido partiu no navio bojudo,
ainda criança, ignorando os trabalhos e arengas nas praças.
Por seu destino me aflijo ainda mais que por causa do esposo.
Tremo por ele e me inquieto; não vá acontecer-lhe algum dano,
quer em viagem, quer mesmo entre as gentes onde ora se encontra.
Muitos malvados contra ele planejam insídias sem conta,
com intenção de matá-lo antes que ele reveja o palácio”.

O pouco claro fantasma de Iftima lhe disse, em resposta:
“Ânimo! Cessa de tanto afligir com receio o peito.
Serve-lhe de companhia a que todos os homens desejam
ter ao seu lado qual deusa assistente — por ser poderosa —
Palas Atena, que se compadece do teu sofrimento.
Dela aqui venho a mandado, por que tudo, enfim, te contasse”.

Disse-lhe, então, em resposta, Penélope muito sensata:
“Se és uma deusa, de fato, e de um deus as palavras ouviste,
vamos, então me revela o destino infeliz daquele outro,
se ainda com vida se encontra e as delícias da luz ainda enxerga,
ou se é já morto, talvez, e na de Hades estância demora?”

O pouco claro fantasma de Iftima lhe disse, em resposta:
“Nada te posso dizer, com certeza, a respeito desse outro,
se é vivo ou morto; de nada nos serve falar aereamente”.

Tendo isso dito, esvaeceu-se o fantasma, qual sopro de vento,
pelo ferrolho da porta. A de Icário nascida desperta
logo do sono. Seu peito outra vez de alegria se aquece,
por lhe ter vindo no escuro da noite visão tão luzente.

Acompanhe as atualizações da série Livro de Sonhos também por esta página.

Categorias:Livro de Sonhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *